Enquanto isso na academia

Enquanto isso na academia

Na academia, a competição não se resume apenas aos pesos levantados, mas à resistência em manter a pose de “fortão” a todo custo. Os frequentadores se desdobram para levantar halteres que mais parecem âncoras de navio, suando mais que tampa de chaleira. E é claro, sempre tem aquele cara que acha que “no pain, no gain” é um mantra a ser seguido cegamente, mesmo que isso signifique quase virar um origami humano sob os pesos.

No entanto, em um canto quase esquecido da academia, um personagem peculiar observa tudo com um olhar tranquilo e um leve sorriso. A faxineira, com sua vassoura mágica, parece ter uma força que desafia as leis da física e da lógica. Enquanto os marombeiros se contorcem e fazem caretas hilárias, ela simplesmente varre o chão, levantando os pesos como se fossem penas.

É o típico humor brasileiro: enquanto uns sofrem para provar um ponto, outros, de forma inesperada e quase mágica, demonstram que a verdadeira força nem sempre está nos músculos inchados, mas na habilidade de fazer o difícil parecer fácil. E assim, entre risos e perplexidades, fica a lição: às vezes, é preciso menos suor e mais sabedoria para resolver os problemas da vida — ou, pelo menos, para manter a academia limpinha.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Rolar para cima