Você não gosta de pessoas?

Você não gosta de pessoas?

Na rotina do cotidiano, há quem prefira a tranquilidade do isolamento ao tumulto da convivência. Alguns encontram a paz em um café silencioso, enquanto observam a vida passar pela janela. Para esses, a multidão pode ser exaustiva, como um mar de vozes e gestos desconexos que desafiam a sanidade.

A arte de não gostar da maioria das pessoas é, muitas vezes, um talento subestimado. É saber apreciar a companhia dos próprios pensamentos, valorizando o espaço pessoal e o silêncio. É um jeito sutil de dizer ao mundo que a solidão, para alguns, é um luxo, não uma punição. Afinal, em um mundo onde todos querem ser ouvidos, poucos valorizam a arte de ouvir-se a si mesmo.

Com um toque de humor brasileiro, podemos dizer que é como escolher a sombra em um dia de sol escaldante: enquanto muitos correm para se amontoar sob o guarda-sol coletivo, outros preferem a sombra solitária de uma árvore, desfrutando da brisa suave e do canto dos pássaros. É um equilíbrio delicado entre a introspecção e a observação, onde a maioria das pessoas é apenas um pano de fundo para a verdadeira cena, que se desenrola na mente de quem sabe apreciar a solitude.

Assim, entre risos e reflexões, fica a lição: não gostar da maioria das pessoas não é sobre misantropia, mas sobre encontrar paz e alegria em um mundo que, muitas vezes, parece barulhento e caótico. É um lembrete de que, às vezes, a melhor companhia é a própria mente, em um passeio solitário pelos pensamentos e imaginações.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Rolar para cima